Protetor das Águas vira programa municipal

Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail Imprimir Imprimir

Atividades funcionarão sob o comando da Prefeitura a partir de agora, que absorverá legado do projeto-piloto desde 2011

1
Trabalho envolve hoje 62 famílias na proteção de nascentes

Cinco anos após o início das atividades de preservação de fontes e com a demonstração de resultados significativos na melhora da qualidade da água do Arroio Andréas, o projeto Protetor das Águas fechou o primeiro ciclo e entra em nova etapa a partir de agora em Vera Cruz. A ação passará ao comando da Prefeitura com atividades de forma permanente, com renovação anual. Para isso, a prefeita Rosane Petry encaminhou um projeto de lei na segunda-feira à Câmara de Vereadores para a criação do Programa Protetor das Águas do município. As atividades também contarão com o aporte de recursos da Agência Nacional de Águas (ANA).

O anúncio ocorreu na tarde de ontem, durante o encontro que marcou o pagamento da quinta parcela aos 62 proprietários de áreas rurais por serviços ambientais dos produtores integrados ao trabalho de recuperação e preservação do meio ambiente, no valor total de R$ 74 mil. O evento no salão da Comunidade Católica Santa Teresa também marcou a renovação do compromisso da Fundación Altadis (entidade pertencente à empresa britânica Imperial Tobacco) e da Universal Leaf Tabacos (ULT) em seguir por mais um ano como instituições parceiras responsáveis por prover os recursos para a proposta inovadora de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) aos produtores rurais da Sub-Bacia do Arroio Andréas, em Vera Cruz.

Os agricultores participantes do projeto se tornaram protetores de nascentes e passaram a ser recompensados financeiramente por isso. Além disso, eles têm isenção da tarifa mínima de água, concedida por meio da aprovação de lei municipal, desde que permaneçam vinculados às condições previstas nos contratos, com a proteção das nascentes e áreas ripárias. A Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), o Sindicato Interestadual da Indústria de Tabaco (Sinditabaco) e o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Pardo (Comitê Pardo) também permanecem como entidades apoiadoras, bem como a Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc) no desenvolvimento do programa.

LEIA A MATÉRIA COMPLETA CLICANDO AQUI

1
1
1
1
1
1
1
1
1
1

Foto: Lula Helfer