Produção Integrada de Tabaco – Glossário

Adubação de cobertura: Aplicação de fertilizantes após a implantação definitiva do cultivo. Os fertilizantes recomendados para esta finalidade são usualmente compostos dos macronutrientes primários Nitrogênio e Potássio.

AFUBRA: Associação dos Fumicultores do Brasil. Entidade representativa dos produtores de tabaco.

Agente patogênico: Organismo, de origem fúngica, bacteriana ou virótica, capaz de produzir doença em seres vivos.

Alpendre: Teto, geralmente de uma só água, sustentado de um lado por colunas (pilares ou esteios) e de outro pela parede da edificação. Pátio coberto, telheiro, barracão, galpão. Serve para armazenagem temporária de produtos, especialmente agrícolas.

Amostra composta: Porção de tabaco constituída de várias amostras simples, com o propósito de reduzir custo de análises. Caso seja constatada alguma irregularidade, o material poderá ser detalhadamente investigado através de uma reanálise das amostras simples que a compuseram.

Aterração: Operação que consiste em achegar terra às plantas de tabaco, com a finalidade de oferecer melhores condições ao seu desenvolvimento radicular.

Atravessador: Também conhecido como “picareta”, é a denominação atribuída ao comerciante informal de tabaco, que age normalmente de forma oportunista, adquirindo usualmente parte da safra dos produtores.

Bandeja: Dispositivo especial, contendo compartimentos em forma de pirâmide ou cone invertido, confeccionado em poliestireno ou plástico, utilizado na produção de mudas de tabaco.

Beneficiamento: Processo industrial a que é submetido o tabaco com objetivo de separar a lamina do talo, fragmentando-a de acordo com as especificações técnicas determinadas pelos clientes. Durante a fase final do processo é também ajustado o teor de umidade do tabaco, permitindo a preservação e estabilidade de suas características físicas e organolépticas durante a armazenagem, transporte e estocagem na indústria manufatureira.

Big bag: Embalagens grandes, normalmente confeccionadas em polietileno, usadas para recolher e abrigar embalagens vazias de agrotóxico durante o período em que permanece na propriedade aguardando recolhimento para reciclagem.

Boas Práticas Agrícolas (BPA): É o conjunto de práticas agrícolas que visa compatibilizar de forma racional os aspectos de natureza ambiental, econômica e social. São estes os princípios de sustentabilidade que devem fundamentar qualquer sistema integrado de produção agrícola.

Bracatinga: Essência florestal nativa do Sul do Brasil, pertencente à família Leguminosae, denominada cientificamente de Mimosa scabrella, que em determinadas regiões, devida à legislação local específica, pode ser manejada de forma racional e utilizada como fonte energética na cura e secagem do tabaco tipo ”estufa”.

Caderno de campo: Conjunto de fichas ou formulários específicos pré-elaborados, que servem para anotação e registro dos procedimentos de campo utilizados no sistema de produção integrada.

Caderno de industrialização: Conjunto de documentos internos específicos, acumulados em meio eletrônico, que servem para registro de informações sobre todos os procedimentos industriais de beneficiamento do tabaco utilizados no sistema de produção integrada.

Calda agrotóxica: Mistura de agrotóxico e água, de acordo com as dosagens recomendadas, pronta para ser aplicada no controle de pragas ou doenças em cultivos agrícolas.

Cama de aviário: Material orgânico resultante da mistura de madeira fragmentada (maravalha), utilizada como piso em aviários, e estrume de aves.

Camalhão: Também conhecido como “amontoa”, é a prática que consiste na mobilização de solo no sentido longitudinal das linhas de plantio do tabaco. O procedimento tem como propósito oferecer condições adequadas e favoráveis ao desenvolvimento do sistema radicular das plantas de tabaco e regular o equilíbrio hídrico na superfície do solo.

Cartão de fardo: Etiqueta de identificação dos fardos de tabaco, confeccionada em papel especial e contendo código de barras ou equivalente, onde são registradas inúmeras informações codificadas sobre o produtor integrado e características do produto.

Ciclo de safra: Período relativo a uma safra agrícola de tabaco, compreendido desde a semeadura até a comercialização do produto na planta industrial da empresa integradora.

Classe toxicológica: É o sistema oficial recomendado pela OMS para classificação dos agrotóxicos, expressa em valores referentes à Dose Média Letal (DL50), por via oral. Este índice é usado para estabelecer medidas de segurança com o propósito de reduzir riscos de uso destes produtos para a saúde humana. Os agrotóxicos são agrupados em classes, de acordo com a sua toxicidade e representados por cores contidas nos rótulos e embalagens: I – extremamente tóxico (faixa vermelha), II – altamente tóxico (faixa amarela), III – moderadamente tóxico (faixa azul) e IV – pouco tóxico (faixa verde).

Código de barras: É uma representação gráfica de dados, podendo ser numérica ou alfanumérica. A decodificação (leitura) destes dados é realizada por um equipamento chamado scanner que emite um raio vermelho que percorre todas as barras. Na produção integrado do tabaco este sistema é usado na etiqueta de identificação e rastreabilidade do fardo, contendo inúmeras informações relacionadas com o produtor e origem do produto.

CONAMA: Conselho Nacional do Meio Ambiente

Controle de brotos: Eliminação da brotação axilar que se desenvolve nas plantas de tabaco. Este desenvolvimento é fisiologicamente estimulado a partir do desponte da inflorescência apical. Seu controle pode ser manual, mas usualmente é feito por agentes químicos, através do uso de fitorreguladores de crescimento, denominado antibrotantes.

CORESTA: Associação fundada em 1956 com o propósito de promover a cooperação científica internacional e pesquisa relacionada com tabaco, abrangendo desde a sua parte agronômica até a fabricação do cigarro e produtos de tabaco. Conta atualmente com 182 organizações associadas em todo o mundo e atua nas áreas de Agronomia, Fitopatologia, Ciência de Avaliação da Fumaça e Tecnologia de Produto. Sua função básica está relacionada com os aspectos de normatização de procedimentos de produção, processos industriais e estabelecimento de limites para os níveis de resíduos de agrotóxicos em tabaco.

CREA: Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia.

Cultivar: Designação dada ao conjunto de características de uma determinada planta cultivada, correspondendo ao seu genótipo e fenótipo, recebendo uma denominação única e devidamente registada com base nos seus aspectos produtivos ou outros que o tornem interessante para cultivo. O cultivar deve apresentar, em seu processo de propagação, um conjunto único de características que o distinguem de maneira consistente de plantas semelhantes da mesma espécie.

Cultivo convencional: Sistema de produção agrícola baseado no preparo tradicional do solo e cultivações intensivas para mobilização da sua camada superficial, visando aeração e controle de plantas daninhas. É uma metodologia que expõe o solo à ação dos agentes erosivos e supressores de seu conteúdo microbiológico.

Cultivo mínimo: Sistema de produção agrícola baseado no preparo parcial do solo, com mobilização apenas da faixa destinada ao cultivo na linha da cultura a ser implantada. Em média, apenas 30% área é mobilizada, resultando em economia de mão-de-obra e, sobretudo, proteção ao solo.

Cura e secagem: Processo pós-colheita a que é submetido o tabaco, com o propósito de eliminar água e preservar suas características organolépticas e realçar a sua coloração típica, conforme o tipo (variedade). No caso do tabaco Virgínia, este processo ocorre em estufas, através da elevação gradativa da temperatura e controle da umidade. O Burley tem cura natural em galpões, onde é submetido à eliminação lenta de umidade. O Oriental também é curado de forma natural através da exposição de suas folhas ao sol.

Deriva: Desvio acidental de direção a que estão sujeitas as aplicações das soluções agrotóxicas (caldas) para controle de pragas e plantas daninhas nas culturas. Esta ocorrência pode ser resultante da ação dos ventos, temperatura ambiente, metodologia de aplicação e, inclusive, do grau de volatilidade dos produtos utilizados.

Descompactação: Operação agrícola, realizada através do uso de equipamento subsolador, com o propósito de romper a camada compactada do solo (pé-de-arado), formada ao longo do tempo devido ao uso da prática da aração, continuamente feita à mesma profundidade. Esta camada compactada impede a drenagem e infiltração natural de águas no solo e dificulta o desenvolvimento radicular das plantas.

Despencar:

Desponte: Procedimento de eliminação da inflorescência apical das plantas de tabaco. Trata-se de um processo manual e tem como finalidade básica redirecionar o metabolismo dos nutrientes em beneficio do desenvolvimento das folhas do tabaco, melhorando suas características qualitativas e aumentando sua produtividade.

Dessecante: Herbicida de ação total e não seletivo usado na dessecação de cultivos de cobertura ou plantas daninhas. É recomendado nos sistemas de Plantio Direto e Cultivo Mínimo.

Empresa contratante: Empresa integradora que detém contrato formal de compra e venda de tabaco firmado com produtores integrados.

Enfardar: Confeccionar fardos de tabaco, em caixas especiais, construídas segundo dimensões especificadas pela empresa contratante. Estas especificações tem como propósito determinar tamanho e peso dos fardos, de modo a racionalizar e seu o transporte e otimizar o aproveitamento de espaço de armazenagem na área industrial.

EPI: Equipamento de Proteção Individual.

Estalo: Ruído característico utilizado como um dos indicadores de maturidade da folha de tabaco.

Expurgo: Operação que consiste em controlar / eliminar pragas e insetos de produtos armazenados. É normalmente feita através do uso de agentes químicos aplicados sob proteção.

Feromônio: Substância secretada por insetos, que serve de meio de comunicação entre indivíduos da mesma espécie, agindo como atrativo sexual. É utilizado em áreas industriais e armazéns para estocagem de tabaco com o propósito de monitorar a presença de pragas e insetos.

FIFO: A sigla FIFO origina-se da expressão em inglês “FIRST IN – FIRST OUT”, e significa literalmente PRIMEIRO A ENTRAR - PRIMEIRO A SAIR. O uso deste sistema para controle de estocagem ajudará a economizar tempo, espaço e garantir que os materiais mais antigos sejam sempre os primeiros a sair.

Fio de tecedeira: Fio de algodão utilizado para tecer as folhas de tabaco sobre varas ou tacos de madeira.

Fitonematóides: Nematóides específicos que parasitam as raízes das plantas de tabaco, competindo por nutrientes e causando desnutrição, tendo como conseqüência redução da sua qualidade e produtividade.

Fitorregulador (antibrotante): Ação química de intoxicação de plantas resultante da aplicação excessiva ou de forma incorreta de agrotóxicos.

Fitotoxicidade: Ação química de intoxicação de plantas resultante da aplicação excessiva ou de forma incorreta de agrotóxicos.

Float: Sistema de produção de mudas sobre bandejas de poliestireno contendo compartimentos denominados células. Sobre a bandeja deve ser colocado substrato orgânico para enchimento das celas e sementes da cultura em questão. As bandejas flutuantes são dispostas em lamina d’água contida em tanque revestido por manta ou lençol de polipropileno de cor preta e cobertas por filme de polietileno transparente, formando um microtúnel.

FUNDACENTRO: Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho. Pertence ao MTE e, entre outras atribuições, define normas relacionadas ao assunto em questão.

Galpão de cura: Construção rural, de dimensões variáveis, utilizada no processo de cura natural de tabaco do tipo TG (Burley e Comum).

Halofenol: Substancia química resultante de inúmeros compostos como triclorofenol (TCP), tricloroanisol (TCA), tribromofenol (TBP), tribromoanisol (TBA), pentaclorofenol (PCP) ou pentacloroanisol (PCA), usados como tratamento para a conservação de madeira. São compostos altamente tóxicos, carcinogênicos, pouco degradáveis e persistentes no ambiente, que conferem odor desagradável aos alimentos ou outros produtos agrícolas que tenham contato com estas substâncias ou material tratado.

Integridade: Qualidade do que é íntegro. No caso do tabaco refere-se ao produto “limpo”, isento de materiais estranhos.

ISO: A sigla “ISO” refere-se à International Organization for Standardization. Sua função é a de promover a normatização de produtos e serviços A adoção das normas ISO é vantajosa para as empresas, uma vez que lhes confere maior organização, produtividade e credibilidade – elementos facilmente identificáveis pelos clientes – aumentando a sua competitividade nos mercados nacional e internacional.

Lavoura: Área de terra, geralmente de características uniformes, utilizada com a mesma variedade e cultivar de tabaco. Pode também, dependendo da região, ser denominada de parcela, gleba ou talhão

Manoca: Conjunto formado por aproximadamente 25 folhas curadas e classificadas de tabaco (com no máximo 4,0 cm de diâmetro), amarradas na extremidade dos talos por uma folha da mesma classificação, devendo ser uniforme quanto ao tamanho, posição na planta, cor e qualidade. Posteriormente estas manocas são utilizadas na confecção e estruturação dos fardos.

MAPA: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Material estranho: Todo e qualquer material, de origem orgânica e inorgânica, que não seja tabaco.

Microbacia: Área geográfica integrada, cuja exploração racional demandaria a adoção de medidas, ações e uso de tecnologias que proporcionem o desenvolvimento rural sustentável, compatibilizando produção agrícola com preservação do meio ambiente, com aumento da renda e melhoria da qualidade de vida para as famílias rurais. É também denominada microbacia hidrográfica.

MIP: Manejo Integrado de Pragas (insetos).

MPT: Ministério Público do Trabalho.

MTE: Ministério do Trabalho e Emprego.

N/A: Condição de não aplicabilidade.

NAPO: Núcleo de Análises de Pesquisas Orgânicas da Universidade Federal de Santa Maria / RS.

NDE: Nível de Dano Econômico. Utilizado para a tomada de decisão sobre a aplicação de agrotóxico para controle de pragas na lavoura, em sistemas de Manejo Integrado de Pragas (MIP).

NR: Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego.

NRR: Normas Regulamentadoras Rurais do Ministério do Trabalho e Emprego.

NTEPITAB: Normas Técnicas Específicas para a Produção Integrada de Tabaco.

NTRM: Expressão em inglês “Non Tobacco Related Material”, que significa presença de material estranho ao tabaco. Expressão empregada de forma corrente entre os que operam na produção integrada de tabaco.]

OGM: Organismo Geneticamente Modificado (material transgênico).

OHSAS: OHSAS é uma sigla em ingles para Occupational Health and Safety Assessment Series, cuja tradução é Série de Avaliação de Saúde e Segurança Ocupacional. Consiste em um Sistema de Gestão, assim como o sistema ISO, porém com o foco na saúde e segurança ocupacional.

Orientador Agrícola: Denominação dada aos técnicos de campo, que fazem extensão e prestam assistência técnica aos produtores integrados de tabaco.

Palhada: Material originário da biomassa dessecada pela ação de dessecantes químicos.

Período de reentrada: É o período estabelecido em função do número de dias entre a última aplicação de um agrotóxico e a reentrada de pessoas na área tratada sem risco de contaminação.

PITAB: Produção Integrada de Tabaco.

Planta daninha ou invasora: É definida como toda a planta que cresce onde não é desejada. Assim, uma planta de milho, por exemplo, é considerada planta daninha numa plantação de tabaco.

Plantas de cobertura: Denominação dada às plantas, especialmente Leguminosas e Gramíneas, cultivadas antes e após o cultivo do tabaco, com o propósito de proteger o solo e promover o seu melhoramento físico, químico e biológico. São práticas recomendadas para complementar os sistemas de Plantio Direto e Cultivo Mínimo.

Plantio direto: É um sistema conservacionista de preparo de solo. Consiste no uso do solo de modo a preservar a palhada, obtida através da dessecação da biomassa existente, e sem mobilização através da aração ou processo equivalente. Trata-se de uma forma sustentável de proteção do solo em relação à erosão e a preservação de suas características estruturais e microbiológicas.

Poda (clipping): Sistema utilizado na produção de mudas de tabaco e que consistente no corte do ápice das folhas, tornando as mudas mais fortes, resistentes e uniformes para o transplante. O processo de poda é executado de várias maneiras e através de inúmeros equipamentos. O sistema mais empregado atualmente é por meio da caixa podadora, que utiliza fio de nylon tensionado como elemento de corte da folhagem. Trata-se de um equipamento prático, eficiente e de baixo custo.

Prática conservacionista: É toda e qualquer prática de agricultura que leva em consideração os aspectos de sustentabilidade dos sistemas de produção. Um procedimento conservacionista sustentável deve abranger três elementos básicos: ambiental, econômico e social.

Pré-transplante: Toda e qualquer operação agrícola realizada antes do transplante das mudas.

Produtor integrado: Trata-se do produtor de tabaco que mantém contrato formal de compra e venda de sua produção com uma empresa integradora. Através de instrumento legal ficam estabelecidos os direitos e as obrigações entre as partes envolvidas, assim coma as garantias de fornecimento de assistência técnica, insumos adequados aos produtores e aquisição integral da produção por parte das referidas empresas.

Pythium: Fungo patogênico do gênero Pithyum, uma das maiores ameaças em termos de doenças na produção de mudas de tabaco. Pode ocorrer também em lavouras. Requer tratamento preventivo e eficaz para o seu controle.

Queimada: Sistema antigo de limpeza das áreas agrícolas através do uso do fogo. Esta prática resulta em destruição das propriedades físicas e biológicas do solo, provocando seu empobrecimento gradativo.

Rastreabilidade: A rastreabilidade é a habilidade de descrever a história, procedimentos de produção, processos e localização de um produto por meios de registros e identificação. De outro modo, rastrear é manter os registros necessários para identificar e informar os dados relativos à origem e ao destino de um produto.

Recebimento: Operação industrial que consiste em receber e adquirir tabaco oriundo dos produtores integrados durante o processo de comercialização.

Replante: Ação de replantar mudas de tabaco onde, por razões diversas, algumas mudas do transplante original não tiveram sucesso. Deve ser realizado o mais breve possível, sempre que necessário, com o objetivo de garantir a melhor uniformidade da lavoura.

Resíduo de agrotóxico: Substância ou mistura de substancias remanescente ou existente em alimentos ou outros produtos agrícolas, decorrentes do uso ou da presença de agrotóxicos e afins, inclusive quaisquer derivados específicos, tais como produtos de conversão e de degradação, metabólitos, produtos de reação e impurezas, consideradas tóxicas e ambientalmente nocivas.

RNC: Registro Nacional de Cultivares.

ROLAS: Rede Oficial de Analises de Solo em operação nos estados de RS e SC.

Rotação de culturas: Sistema de cultivo em que não é recomendada a repetição da mesma cultura por anos seguidos na mesma área. A recomendação técnica é que seja implantado um sistema rotacional de áreas ou de cultivos, usando espécies pertencentes a outras famílias botânicas, como o propósito de reduzir o potencial de pragas e doenças e melhor aproveitar a fertilidade do solo.

Sanidade: Qualidade de são, saudável. No caso do tabaco, refere-se a um produto limpo, sem doenças, produzido em condições fitossanitárias adequadas.

SINDITABACO: Sindicato da Indústria do Fumo. Entidade representativa da indústria do tabaco.

Substrato: Material de origem orgânica, obtido ou não através de processo de compostagem termofílica, utilizado na produção de mudas de tabaco em bandejas acondicionadas em túneis ou micro túneis plásticos. Estes substratos podem ter diversas origens: casca de pinus, fibra de coco, turfa e etc.

Sucessão de cultivos: Atividade agrícola subseqüente ao cultivo do tabaco, na mesma área, podendo ser através de plantas de cobertura ou produção de culturas de subsistência. Trata-se de procedimentos típicos utilizados nas pequenas propriedades rurais produtoras de tabaco do sul do Brasil.

Sustentabilidade: Atividade agrícola desenvolvida por meio de Boas Práticas Agrícolas (BPA), com ênfase em princípios definidos como ambientalmente correto, economicamente viável e socialmente justo.

Tabaco: Planta anual da família Solanaceae, denominada cientificamente de Nicotiana tabacum. É o objeto principal do programa PITAB.

Tabaco Burley: Variedade (tipo) de tabaco de colocação escura, colhida através folhas ou corte da planta inteira e submetida a um processo de cura natural em galpões. Tem características organolépticas especiais e faz parte dos “blends” para a fabricação de cigarros do tipo ‘‘American Blend”.

Tabaco estufa: Variedade (tipo) de tabaco de coloração clara, colhida através de folhas e submetida a um processo de cura em estufas, com temperatura e umidade controladas. É a principal matéria prima da fabricação de cigarros e, devido as suas características organolépticas, participa fundamentalmente em manufaturados do tipo “American Blend”.

Tabaco galpão: O mesmo que tabaco Burley, porem, devido suas características botânicas mais rústicas, tem uso limitado, sendo utilizado especialmente na confecção de cigarro negro e charutos.

Tabaco limpo: Produto íntegro e isento de materiais estranhos, tanto de natureza física quanto de origem química. Pode ser também chamado de tabaco íntegro.

Tabaco Virgínia: O mesmo que tabaco estufa.

Tanque do Float: Reservatório de forma retangular revestido com filme de polietileno, destinado à contenção de água para suprimento hídrico durante o desenvolvimento das mudas de tabaco produzidas no sistema Float.

Tricomas: Pilosidade típica existente nas folhas de tabaco. A sua presença vai reduzindo à medida que as folhas completam o processo fisiológico de maturação.

Tríplice lavagem: Ação de submeter a três lavagens sucessivas as embalagens vazias de agrotóxico. Este procedimento é indicado para produtos líquidos comercializados em embalagens de plástico ou vidro. Para que o processo seja eficiente é necessário fazê-lo imediatamente após o esvaziamento da respectiva embalagem. O produto remanescente da tríplice lavagem deve ser colocado no tanque de pulverização, resultando em melhor aproveitamento do produto e redução dos custos com tratamentos fitossanitários.

Trouxa: Faixas de tecido utilizadas para acondicionar folhas de tabaco após a colheita, visando facilitar as operações de manuseio e transporte, reduzindo ao mínimo as possibilidades de danos às folhas maduras. Recomenda-se usar somente algodão na confecção deste material.

UFSM: Universidade Federal de Santa Maria / RS.

UNA: Uso não alimentar. Denominação oficializada pelo MAPA para definir produtos agrícolas não utilizados como alimento. É o caso da produção de tabaco.

Vestimenta de colheita: Indumentária, confeccionada em material especial, recomendada para proteger os trabalhadores durante a colheita de tabaco. O propósito desta recomendação é evitar o contato direto das folhas de tabaco com a pele das pessoas, especialmente quando estas estiverem úmidas ou molhadas em decorrência de orvalho ou chuva. Pessoas mais sensíveis à nicotina, ao absorverem este alcalóide através da pele, poderão apresentar sintomas reversíveis de desconforto, tais como náuseas, tonturas, vômitos, cefaléia e sensação de fraqueza (GTS).

[ English ]