Contrabando de cigarros em pauta na Esplanada dos Ministérios

Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail Imprimir Imprimir

Ofensiva liderada pela senadora Ana Amélia Lemos e AmproTabaco reunirá prefeitos e representantes da cadeia produtiva do tabaco em audiências com o ministro das Relações Exteriores e da Justiça nesta quinta-feira (18).

Maio 2017 – De cada três cigarros consumidos no País, um é contrabandeado. Para por fim a esta realidade, prefeitos dos municípios produtores de tabaco do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Bahia, além de líderes de entidades como o Sindicato Interestadual da Industria do Tabaco (SindiTabaco), a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), a Associação Brasileira da Indústria do Fumo (Abifumo) e deputados deverão participar de audiências com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e da Justiça, Osmar Serraglio. Liderada pela AmproTabaco e pela senadora Ana Amélia Lemos, a mobilização busca por medidas mais enérgicas para pôr fim ao contrabando de cigarros no país. A agenda na Esplanada dos Ministérios inicia às 10 horas, quando o grupo será recebido pelo ministro da Justiça. Já às 15 horas acontece a audiência no Ministério das Relações Exteriores.

Na última terça-feira, 16, em audiência com o ministro interino da Agricultura, Eumar Novaki, o articulador da ofensiva, o prefeito de Santa Cruz do Sul e presidente da Associação dos Municípios Produtores de Tabaco (Amprotabaco), Telmo Kirst, entregou uma carta da entidade ao ministro interino, que, dentre outras coisas, abordou o efeito catastrófico do mercado ilegal para toda a sociedade brasileira. O documento contempla números da evasão fiscal, acentua o impacto da perda de receita sobre a economia dos municípios produtores, menciona os riscos à saúde dos consumidores e alerta para o fato de que o contrabando financia atividades criminosas, como tráfico de drogas e armas.

Telmo disse que a questão do contrabando de cigarros no país causa grande preocupação nos municípios onde se produz tabaco, principalmente em Santa Cruz do Sul, que também industrializa o produto para todo o Brasil. “Estamos competindo com um produto que não passa pelo controle de qualidade da Anvisa e com preço muito inferior aos praticados no mercado. Queremos que o governo federal passe a agir de maneira mais efetiva para combater o contrabando e evitar a derrocada da economia nos municípios”, disse na ocasião.

A audiência com os prefeitos e demais lideranças da cadeia produtiva foi intermediada pela senadora Ana Amélia Lemos, que, na ocasião, falou sobre a importância do setor para os produtores e para a economia dos municípios onde se produz tabaco. “O governo federal deixa claro que está preocupado com o produtor e com o impacto do contrabando na arrecadação dos nossos municípios. Mas precisamos de ações efetivas para proteger a economia desses municípios”, disse Ana Amélia Lemos.

SAIBA MAIS
Brasil ainda não aderiu ao protocolo para combater o mercado ilegal de cigarros
Estudo: O Custo do Contrabando (IDESF)


Audiências em Brasília querem reforçar a necessidade do combate ao contrabando.
* Com informações da Assessoria de Imprensa da AmproTabaco
** Foto: Divulgação

Contato com a Imprensa:

MSLGROUP Andreoli
Camila Holgado – camila.holgado@mslgroup.com – (11) 3169-9322 / (11) 96477-2701
Eliana Stülp Kroth – eliana.stulp@mslgroup.com – (51) 3713-1777 / (51) 9708-5539
Renato Fugulin – renato.fugulin@mslgroup.com – (11) 3169-9318
www.mslgroupandreoli.com.br