Releases


Safrinha gaúcha pode render R$ 287 milhões aos produtores de tabaco

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-497

Expectativa é que o cultivo de milho, feijão, soja e pastagens após a colheita do tabaco nos três estados sul-brasileiros gere R$ 600 milhões. No Paraná, números serão divulgados no dia 03 de maio, em Imbituva, e no dia 04, em Santa Catarina, no município de Agronômica.
Abril 2017 – Para marcar o início da colheita da safrinha gaúcha, o Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) promoveu nesta quarta-feira, 26 de abril, o dia de campo do Programa Milho, Feijão e Pastagens após a colheita do tabaco. O evento realizado na propriedade de André Dupont, na localidade de João Rodrigues, em Rio Pardo (RS), contou com a participação do secretário Estadual de Agricultura, Pecuária e Irrigação (SEAPI/RS), Ernani Polo, do coordenador de Programas da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR/RS), Atílio Puntel, do prefeito de Rio



Diversificação rentável para a lavoura é tema de dias de campo

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
logo-mfp

Resultados do Programa Milho, Feijão e Pastagens após a colheita do tabaco serão divulgados em eventos promovidos pelo SindiTabaco nos três Estados do Sul do Brasil.

Abril 2017 – Enquanto o processamento de tabaco avança nas indústrias, uma nova colheita rentável começa na lavoura dos produtores. Esse é o objetivo do Programa Milho, Feijão e Pastagens após a colheita do tabaco, que incentiva a diversificação e a otimização no aproveitamento dos recursos das propriedades rurais. Conduzida pelo SindiTabaco, a ação está em andamento desde 1985 e reúne a estrutura de campo das empresas associadas e das entidades apoiadoras para incentivar os produtores a diversificar suas atividades. São parceiros os governos dos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além de entidades ligadas aos produtores e à agricultura, como a Afubra, as Federações de Agricultura e Federações de



Tabaco é tema de sessão especial na Câmara de Vereadores de Santa Cruz do Sul

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-camara

Abril 2017 – A Câmara de Vereadores de Santa Cruz do Sul realizou sessão especial no dia 24 de abril, às 16 horas, para falar sobre a cadeia produtiva do tabaco. Destinada aos vereadores e para toda a comunidade, o encontro serviu para apresentar números de produção e exportação, bem como as pesquisas e atividades realizadas pelo setor. O presidente da Câmara, Paulo Henrique Lersch, destacou a importância do tabaco e de realizar essa integração com o principal setor produtivo do município. “Temos que ouvir e ficar cientes das ações que estão sendo realizadas por nossas indústrias”, afirmou.

Produto de inquestionável importância no agronegócio brasileiro, o tabaco, além de manter o homem no campo com qualidade de vida, é a principal fonte de receita para centenas de municípios. Em muitos destes, é a mola propulsora do desenvolvimento. Atualmente, a cultura



Câmara Setorial elege novo presidente e prioriza demandas

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-Iro-Schinke

Abril 2017 – O novo presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco foi eleito na última quarta-feira, 19 de abril, em Brasília. Romeu Schneider, secretário da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), retornou à presidência por unanimidade. Com vasta experiência no setor do tabaco, Schneider ocupou por nove anos a presidência da Câmara e atualmente atuava como consultor da entidade, cargo que será ocupado por Carlos Galant, executivo da Abifumo, pelos próximos dois anos. Entre as principais demandas da entidade nos próximos anos estarão:

Restrições do Pronaf
A resolução do Banco Central que restringe financiamento pelo Programa Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf) a produtores rurais que não comprovarem, anualmente, receitas que venham de outras culturas além do tabaco preocupa o novo presidente. De acordo com Schneider, a medida dificulta o crédito aos produtores de tabaco que pretendem investir



Instituto Crescer Legal é tema de audiências com TST e OIT em Brasília

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-Iro-Schinke_pr

Abril 2017 – As atividades do Instituto Crescer Legal foram tema de audiências promovidas em Brasília no dia 17 de abril, com o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Lelio Bentes Corrêa, e com o diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Peter Poschen. O diretor presidente do Instituto, Iro Schünke, e o diretor administrativo, Sérgio Rauber, apresentaram as ações do Programa de Aprendizagem Profissional Rural e entregaram o Relatório Institucional 2016 com os resultados alcançados em dois anos de atividades.
O Programa de Aprendizagem Profissional Rural, primeira grande ação do Instituto, abrange as cidades gaúchas de Candelária, Santa Cruz do Sul, Vale do Sol, Venâncio Aires e Vera Cruz. Adolescentes com idades compreendidas entre 14 e 18 anos são o público-alvo que compõe cinco turmas. Atualmente, os quase 100 jovens aprendizes rurais envolvidos participam das atividades do curso



Instituto Crescer Legal completa dois anos de atividades

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-490

Em seu segundo ano de existência, Instituto Crescer Legal já é agente de transformação na vida de quase 100 jovens aprendizes rurais gaúchos.
Abril 2017 – Fundado em 23 de abril de 2015, o Instituto Crescer Legal completa seu segundo ano de atividades com muito a comemorar. Iniciativa do SindiTabaco e suas empresas associadas, a entidade tomou forma com o apoio e adesão de pessoas envolvidas com a educação e com o combate ao trabalho infantil, em especial em áreas com plantio de tabaco, na Região Sul do País. A meta: oferecer subsídios para que o jovem permaneça e se desenvolva no meio rural e, ao mesmo, tempo oportunidades para combater o trabalho infantil no campo. As principais ações do Instituto foram compiladas em um relatório institucional, disponível no site www.crescerlegal.com.br.
O trabalho infantil é um tema complexo e permanente,



Jovens rurais são encorajados a produzir de forma sustentável

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-469

Abril 2017 – As cinco turmas do piloto do Programa de Aprendizagem Profissional Rural do Instituto Crescer Legal se reuniram na Comunidade Nossa Senhora de Lourdes, em Venâncio Aires no último sábado, 08 de abril, para o seminário “Boas práticas no meio rural”. Cerca de 100 jovens aprendizes do curso Empreendedorismo em Agricultura Polivalente – Gestão Rural ouviram as palestras de Marcus Vinicius Martins, Auditor Fiscal Federal Agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasília), que palestrou sobre Boas Práticas Agrícolas e Produção Integrada (PI Brasil); Nede Lande Vaz da Silva, do Instituto Certifica, que falou aos jovens sobre a certificação de produtos agrícolas; e de Carlos Tillmann, professor da Universidade Federal de Pelotas, e Darci Silva, assessor técnico do SindiTabaco, que falaram sobre educação e projetos em produção integrada.
O diretor presidente do Instituto Crescer Legal, Iro Schünke,



Boas práticas no meio rural é tema de seminário em Venâncio Aires

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-Jovens-Aprendizes

Abril 2017 – As cinco turmas do piloto do Programa de Aprendizagem Profissional Rural do Instituto Crescer Legal se reúnem em Venâncio Aires, no sábado, 08 de abril. Cerca de 100 jovens aprendizes do curso Empreendedorismo em Agricultura Polivalente – Gestão Rural participam do seminário “Boas práticas no meio rural”, a partir das 8h30, na Comunidade Nossa Senhora de Lurdes (RST 287, Km 68, Estância Nova).
O seminário tem como objetivo sensibilizar os aprendizes quanto às boas práticas e produção integrada, bem como proporcionar o protagonismo dos jovens, considerando que em cada seminário a turma anfitriã é responsável por organizar o evento e o projeto pedagógico prevê que os aprendizes devem apresentar trabalhos e resultados de suas atividades no curso de Gestão Rural aos colegas, familiares, comunidade e autoridades.

PROGRAMAÇÃO
8h30 – Abertura
• Palestra Boas Práticas Agrícolas e Produção



Logística reversa chega aos produtores da Serra gaúcha

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir

Até o dia 14 de junho, produtores de tabaco de 90 municípios gaúchos poderão devolver as embalagens vazias de agrotóxicos tríplice lavadas em programa itinerante desenvolvido pelo SindiTabaco.
Março 2017 – Depois de percorrer a região central do Rio Grande do Sul, o Programa de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos estará até o dia 14 de junho na região da Serra gaúcha. Em andamento desde o ano 2000, o programa itinerante desenvolvido pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) atende 550 municípios gaúchos e catarinenses em 2,6 mil pontos de recebimento no meio rural, beneficiando um universo de 116 mil produtores de tabaco.
Nesta semana os caminhões do programa percorrem Arroio do Tigre. No mês de abril, estarão em Estrela Velha (03 de abril), Salto do Jacuí (04 de abril), Tunas (05 de abril), Lagoão (06 de abril),



Com boas perspectivas, jovens cogitam permanecer no campo

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-461

30 de março 2017 (Dia Mundial da Juventude) – A condição socioeconômica superior das famílias produtoras de tabaco é um dos fatores que estão fazendo com que mais de 70% dos jovens construam seus projetos de vida na continuidade das atividades rurais. Essa nova situação foi revelada em pesquisa encomendada pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) ao Centro de Estudos e Pesquisas em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (CEPA/UFRGS). Realizado no segundo semestre de 2016, o estudo também apontou os diversos motivos que estão influenciando nas decisões da nova geração.
A renda auferida, 73% superior à do trabalhador brasileiro (de R$ 1.926,73 enquanto que a média nacional é de R$ 1.113,00), é apenas um dos diferenciais. Outros são o conforto doméstico e a crescente mecanização que facilita as atividades agrícolas. Além disso, o alto