Releases


Educadores participam de capacitação sobre namoro e violência do Projeto Pescar

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-Lavoura_Inor-Assmann

Fevereiro 2017 – Os educadores do curso Empreendedorismo em Agricultura Polivalente – Gestão Rural participaram no último dia 16 de fevereiro de um curso de capacitação a convite do Projeto Pescar, instituição que há 40 anos atua na capacitação profissional de jovens e hoje está presente em todo Brasil e exterior. Sob o tema “Namoro e Violência não combinam”, a psicóloga social Cristiane dos Santos Schleiniger abordou questões sobre violência e gênero nas relações afetivo-sexuais entre adolescentes.
 O curso faz parte do processo de aprimoramento constante dos educadores do Crescer Legal, com foco em ações para o desenvolvimento pessoal dos jovens aprendizes. Para Silvia Ramirez, gerente do Programa Social Pescar, as parcerias são uma ferramenta poderosa para a troca de experiência. Silvia conhece bem o Instituto Crescer Legal por fazer parte da consultoria do Instituto e ter sido responsável por



Jovens aprendizes rurais compartilham vivências em Santa Cruz do Sul

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
foto01-2

Fevereiro 2017 – Cerca de 100 jovens aprendizes rurais do piloto do Programa de Aprendizagem Profissional Rural do Instituto Crescer Legal estiveram reunidos nesta quarta-feira, 15 de fevereiro, em Boa Vista, interior de Santa Cruz do Sul (RS). As cinco turmas do curso Empreendedorismo em Agricultura Polivalente – Gestão Rural compartilharam as vivências dos diferentes períodos do curso e discutiram suas expectativas para as próximas atividades. Os educadores do Instituto coordenaram o seminário realizado na Comunidade Nossa Senhora Auxiliadora e na Escola Estadual de Ensino Fundamental Guilherme Simonis.
A programação teve início nesta manhã, com o acolhimento dos aprendizes pela equipe de educadores sociais do Instituto Crescer Legal. A educadora líder Eloisa Klein apresentou um resgate de imagens das atividades realizadas pelas turmas desde maio de 2016. Em seguida, distribuídos em grupos formados por integrantes de diferentes municípios, os aprendizes



Educadores do Instituto Crescer Legal visitam propriedades dos jovens aprendizes rurais

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
Foto01

Fevereiro 2017 – Mesmo no recesso as atividades do Programa de Aprendizagem Profissional Rural do Instituto Crescer Legal não param. Os educadores das cinco turmas do curso Empreendedorismo em Agricultura Polivalente – Gestão Rural estão percorrendo o interior de Candelária, Vera Cruz, Venâncio Aires, Vale do Sol e Santa Cruz do Sul, em visitas pedagógicas programadas aos jovens aprendizes e suas famílias. O objetivo dos encontros é estreitar a relação entre educadores, aprendizes e suas famílias para direcionar os cursos desenvolvidos ao encontro dos anseios e necessidades desses jovens.
“Estar com as famílias periodicamente, apresentando o andamento do projeto e conhecendo o jovem dentro do seu ambiente familiar faz com que os educadores se aproximem dos pais, comentando sobre o desenvolvimento dos seus filhos, e recebam em troca um feedback das famílias quanto às expectativas em relação ao curso. O



Hora de devolver as embalagens de agrotóxicos

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb_brasil-exporta

Até o dia 07 de março, produtores de tabaco de 54 municípios gaúchos poderão devolver as embalagens vazias de agrotóxicos tríplice lavadas.
Janeiro 2017 – O tabaco é, segundo pesquisas o produto comercial agrícola que menos utiliza agrotóxicos, mas provavelmente o que mais se preocupa com o descarte correto das embalagens vazias. Sejam aquelas utilizadas para o tabaco ou para outras culturas, o produtor conta há 17 anos com um sistema itinerante de devolução, com hora marcada e próximo da propriedade rural.
Atualmente, o programa itinerante desenvolvido pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), percorre a Região Central do RS. Nos próximos dias, estará em Cerro Branco (30 a 31 de janeiro), Paraíso do Sul (1º de fevereiro), Restinga Seca e Formigueiro (02 de fevereiro). Na semana seguinte, será a vez de Dona Francisca (06 de fevereiro) e Agudo



Quase 50% dos municípios da Região Sul do Brasil produzem tabaco

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-Lavoura_Inor-Assmann

A cultura está presente em 574 dos 1.191 municípios do sul do País. Sete dos 10 maiores municípios produtores de tabaco do Brasil são gaúchos. Depois de muitos anos sendo o maior produtor de tabaco brasileiro, Venâncio Aires (RS) fica na terceira posição, depois de Canguçu e São Lourenço do Sul.
Janeiro 2017 – Produto de inquestionável importância no agronegócio brasileiro, o tabaco, além de manter o homem no campo com qualidade de vida, é a principal fonte de receita para centenas de municípios. Com mais de 98% da produção concentrada na Região Sul do Brasil, o tabaco é em muitos municípios a mola propulsora do desenvolvimento. É o caso de Canguçu, no sul do Rio Grande do Sul, que na última safra ocupou a liderança do ranking de maiores produtores de tabaco, seguido de São Lourenço do Sul e



Doença da Folha Verde do Tabaco pauta revista científica

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-sindi

Janeiro 2017 – O artigo Avaliação da vestimenta padrão utilizada durante a colheita das folhas de tabaco e implicações na prevenção da Green Tobacco Sickness (GTS) foi publicado na edição de dezembro de 2016 da Revista Brasileira de Medicina do Trabalho (RBMT), conferindo um grau de confiança ainda maior à vestimenta recomendada pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) junto com suas empresas associadas.

“Em alguns fóruns, especialmente antitabagistas, temos ouvido que a nossa vestimenta não protege o produtor contra a Doença da Folha Verde do Tabaco. A publicação do artigo em uma revista deste porte desmantela qualquer tipo de argumento nesse sentido, pois referencia todos os testes e parâmetros seguidos com total concordância aos mais elevados critérios científicos internacionais”, avalia o presidente do SindiTabaco, Iro Schünke.
Segundo o executivo, a aceitação dos produtores foi rápida, mas ainda existem



Brasil exporta mais de US$ 2 bilhões em tabaco no último ano

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
445

Produto é o 6º na pauta do agronegócio brasileiro. No Rio Grande do Sul, o tabaco representou 10% das exportações totais gaúchas, sendo o 2º produto mais embarcado. Em Santa Catarina, ocupa a 4ª posição.
Janeiro 2017 – Seguindo a tendência apontada pela PriceWaterhouseCoopers, o setor de tabaco apresentou leve queda nos embarques em comparação ao ano anterior. Ainda assim, o produto representou 1,15% do total das exportações brasileiras, que em 2016 alcançaram US$ 185,235 bilhões. No caso do tabaco, em todo o Brasil foram 483 mil toneladas e US$ 2,12 bilhões exportados. Os resultados mantêm o País como o maior exportador mundial de tabaco desde 1993.
Mas é na Região Sul que se concentra mais de 99% destes embarques. Em comparação com 2015, a Região Sul exportou -2,78% em dólares e -6,45% em volume, com um acumulado no ano



Monitoramento por satélite aponta manutenção da Mata Atlântica em áreas de produção de tabaco

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb_sinditabaco_008

Dezembro 2016 – O desmatamento das florestas nativas já era motivo de preocupação do setor de tabaco na década de 70, quando começou a incentivar produtores a reflorestar áreas ociosas, tornando-os autossustentáveis em energia utilizada na cura/secagem do tabaco. Em 2011, um acordo inédito para a preservação da Mata Atlântica foi assinado entre o Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), a Afubra (Associação dos Fumicultores do Brasil), o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o Ministério do Meio Ambiente. Naquele ano, áreas começaram a ser monitoradas por meio de parceria com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e o SindiTabaco.
O monitoramento utiliza tecnologia de monitoramento automatizado para acompanhar a evolução de fragmentos florestais. As áreas de estudo inicialmente compreenderam três blocos geográficos situados no interior do estado do Rio Grande do



Recebimento de embalagens vazias de agrotóxicos segue na região central do RS

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
thumb-baixa2

Até o dia 09 de janeiro, o programa percorre Candelária. De 09 a 23 de janeiro, será a vez dos produtores de tabaco de Venâncio Aires devolver seus recipientes tríplice lavados.
Dezembro 2016 – Até o dia 07 de março, produtores de tabaco de 54 municípios gaúchos poderão devolver suas embalagens vazias, tríplice lavadas. Atualmente, o programa itinerante percorre a região central. Nos próximos dias, estará em Candelária (20 de dezembro a 09 de janeiro); na sequência, Venâncio Aires recebe os caminhões, de 09 a 23 de janeiro. Acesse o roteiro completo
A lei sobre logística reversa sequer existia e o primeiro caminhão do Programa de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos já percorria o interior do Rio Grande do Sul. O primeiro recolhimento aconteceu no dia 23 de outubro de 2000, na localidade de Rio Pardinho, Santa Cruz do



Anuário Brasileiro do Tabaco completa 20 anos

 Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail | Imprimir Imprimir
Mail-Attachment-220x162

Dezembro 2016 – Está disponível para consulta a 20ª edição do Anuário Brasileiro do Tabaco, publicação da Editora Gazeta. O lançamento da publicação foi realizado no dia 06 de dezembro, na sede do Instituto Pensar Agropecuária (IPA), em Brasília, e reuniu mais de cem convidados, entre lideranças do setor e de outros segmentos do agronegócio, bem como dirigentes de instituições e órgãos governamentais. O presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, prestigiou o evento.
Senadores como Ana Amélia Lemos (PP-RS) e Ronaldo Caiado (DEM-GO), e deputados como Heitor Schuch (PSB-RS), Luis Carlos Heinze (PP-RS), Alceu Moreira (PMDB-RS), Adilton Saquetti (PSB-MT), Valdir Colatto (PMDB-SC), Evair de Melo (PV-ES), entre outros que integram a Frente Parlamentar do Agronegócio, também participaram do lançamento. O professor Luiz Antonio Slongo, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, apresentou a recente pesquisa que montou o novo perfil