Brasil deixa de arrecadar R$ 130 bilhões por causa de contrabando, diz Idesf

Enviar Por E-mail Enviar Por E-mail Imprimir Imprimir

O Brasil deixa de arrecadar R$ 130 bilhões por ano por causa do contrabando. Os números levam em conta os empregos que deixam de ser gerados, os impostos que não são recolhidos e a perda de competitividade do país no mercado internacional.

Com este valor seria possível construir 1,1 mil hospitais, 65 mil creches ou 25 mil escolas públicas. O cálculo é do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (Idesf) e foi divulgado nesta terça-feira (29) durante o lançamento de uma campanha nacional de combate ao contrabando, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

O mercado ilegal é impulsionado principalmente pelo comércio de cigarros produzidos no Paraguai e que têm comercialização proibida no país. Em 2016, o prejuízo com este tipo de produto passou de R$ 6 bilhões.

“O cigarro representa 67% de tudo que é contrabandeado. É o carro chefe que puxa todas as demais mercadorias e abre porta para outros crimes como tráfico de drogas e tráfico de armas, ele é porta de entrada”, aponta o presidente do Idesf, Luciano Barros.

Do total de mercadorias contrabandeadas do Paraguai, 40% passam pelo trecho de 170 km do Rio Paraná e do Lago de Itaipu entre Foz do Iguaçu e Guaíra.

Em 2016, foram apreendidos na região o equivalente a US$ 67,5 milhões em mercadorias contrabandeadas, quase a metade do que foi apreendido em 2014, quando foram recolhidos US$ 125 milhões em produtos.

A Receita Federal afirma que aumentou a fiscalização, mas admite que não tem sido suficiente.

“Os contrabandistas têm uma flexibilidade muito grande de ação por causa do tamanho da fronteira. Nós conseguimos fazer um controle aqui e eles se mobilizam para uma fronteira mais acima. E, fica esse jogo de gato de rato”, comentou o auditor fiscal da Receita Federal em Foz do Iguaçu Hipólito Caplan.

“Fonte: G1″