Fundação e histórico das denominações

C

riado a partir da necessidade de organização das indústrias de tabaco junto aos trabalhadores do setor e aos órgãos governamentais, o Sindicato da Indústria do Fumo foi reconhecido como entidade sindical em 24 de junho de 1947. Entretanto, a história da entidade iniciou em 04 de dezembro de 1942, quando foi fundada a Associação Profissional da Indústria do Fumo, instalada junto à sede da Associação do Comércio, Indústria e Agricultura de Santa Cruz do Sul.

No ano em que foi reconhecida como entidade sindical, em 1947, sob a denominação de Sindicato da Indústria do Fumo de Santa Cruz, a base territorial abrangia somente os municípios de Santa Cruz do Sul, Candelária, Venâncio Aires, Lajeado, Cachoeira do Sul e Arroio do Meio. Em 29 de dezembro de 1978, por despacho do Ministro de Estado do Trabalho, a denominação foi alterada para Sindicato da Indústria do Fumo de Santa Cruz do Sul. Já em 22 de junho de 1980, a base territorial do Sindifumo foi estendida a todo o estado do Rio Grande do Sul.

Por ser a cultura do tabaco desenvolvida há várias décadas também em Santa Catarina e no Paraná, a entidade atua – há vários anos – na defesa dos interesses do setor igualmente nestes dois Estados, onde a maioria de suas empresas associadas possui agricultores integrados, unidades de compra de tabaco (filiais) e de industrialização do produto. Desta forma, a atuação do Sindifumo – de fato – ocorre nos três Estados do Sul do Brasil.

A partir da denominação de Sindicato da Indústria do Fumo, por vários anos a entidade funcionou na empresa em que o seu presidente trabalhava. As reuniões do sindicato aconteciam em sedes sociais de empresas associadas, sendo que as assembleias muitas vezes eram realizadas em um dos mais tradicionais e antigos clubes sociais da cidade, o Club União.

Já em 1977, a entidade instalou-se em um prédio alugado no centro de Santa Cruz do Sul, onde possuía sala para reuniões e passou a contar com a primeira estrutura administrativa, inicialmente com apenas um funcionário. Em 1980, a entidade transferiu-se para sede própria, onde permanece até os dias atuais.

A primeira diretoria da entidade foi integrada por representantes das empresas Cia. de Fumos Santa Cruz (presidência), F.C.Tatsch e Filhos (tesouraria) e Kliemann & Cia. (secretaria). Já o primeiro conselho fiscal era composto por representantes das empresas Fábrica de Fumos Sul Brasileira, Albino Petry e Cooperativa Agrícola Rio Pardinho. A estrutura de diretoria composta por presidente, tesoureiro e secretário, além de conselho fiscal, foi mantida até 1978. A partir daquele ano, a partir de alterações no estatuto, a entidade passou a contar com um presidente e seis vice-presidentes, além de conselho fiscal. No final da década de 80, a demanda crescente por assuntos relacionados a comércio internacional e meio ambiente, levou a entidade a criar duas novas vice-presidências para tratar desses temas.

Em 2008, pensando em adequar a imagem da entidade a um produto destinado principalmente ao mercado internacional –atualmente 85% da produção é exportada – o SindiFumo passou a se denominar SindiTabaco. No final de 2009, outra mudança: o já consolidado trabalho realizado em Santa Catarina e Paraná foi reconhecido por meio da extensão da base da entidade que atualmente é conhecida por SindiTabaco – Sindicato da Indústria do Tabaco da Região Sul do Brasil. Em 2010, de novo buscando proteger o mercado, estendeu a base para o território nacional, excetuando os estados da Bahia, do Rio de Janeiro e de São Paulo, com a denominação de Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco – SindiTabaco.

 

[ English ]